terça-feira, agosto 22, 2006

UMA MULHER MUITO À FRENTE DO SEU TEMPO!

George Sand(1804-1874)


Quem tem hoje cerca de 20 à 30 anos de idade e assistia "Chapolim",deve se lembrar de um episódio em que o ator mexicano Roberto Bolaños fez o papel do compositor e músico Chopin.Neste episódio,havia uma personagem(interpretada por Florinda Bolaños)que fazia o papel de George(George?!).Ela(ele?!) adentrou a sala onde Chopin tocava o seu piano,vestida(ou vestido?!) de homem e eis que de repente,ao tirar a cartola da cabeça,pudemos ver que era,de fato,uma mulher!!!!Mas quem era George?Será que ela existiu???Essas perguntas sempre povoaram minha mente,pelo fato de eu ser musicista desde pequena e gostar de Chopin.
Existiu!!!!George Sand(pseudônimo de Amandine Aurore Lucile Lupin) foi uma grande escritora francesa,que desafiou a moral do seu país para poder participar da vida literária parisiense.
Aurore Lupin nasceu em Paris,em 1804.Aos 18,se casou com o barão François-Casimir Dudevan e teve dois filhos:Solange e Maurice.Seu casamento durou nove anos.
Em 1831,tornou-se amante do escritor Jules Sandeau,em um tempo em que as mulheres tidas como "honestas" e "de família",não saiam de casa e viviam para o marido e para os filhos.Juntos,escreveram um livro entitulado "Rosa Branca" e assinaram com o pseudônimo Jules Sand.Logo,os dois se separaram,mas o sobrenome (Sand)eau inspirou o pseudônimo adotado por Aurore.Depois,teve uma relação intensa e conturbada com o poeta Alfred de Musset,20 anos mais novo,um dos maiores ícones do ultra-romantismo francês.
No entanto,seu casos amorosos são meros detalhes:Sand escreveu 63 romances,18 peças de teatro e 10 ensaios filosóficos e literários.Também foi colunista das revistas "Revue des Deux Mondes" e "La Revue de Paris" e do jornal "Le Figaro.Mais:teve sua correspondência toda publicada em 27 volumes.
Sand também foi ativa politicamente.Pregava o socialismo utópico e o respeito à pequena propriedade.
Em virtude do bicentenário do seu nascimento,o Ministério da Cultura francês proclamou o ano de 2004 como sendo o "Ano George Sand",com inúmeros eventos em sua homenagem
Mas...voltando ao Chopin...Sand foi amante dele por 9 anos!Ela também conviveu com ilustres como Franz Listz,Alexandre Dumas e Victor Hugo.Faleceu em 1874.


AGORA VOCÊS DEVEM ESTAR SE PERGUNTANDO:POR QUE SERÁ QUE ELA SE VESTIA DE HOMEM?LÁ VAI ENTÃO A RESPOSTA,DADA POR ELA MESMA:

"Desejava ardentemente perder o meu provincianismo e informar-me diretamente sobre as idéias e as artes do meu tempo...mas estava a par das dificuldades de uma pobre mulher em gozar esses luxos...Assom,mandei fazer um redingote-guérite(casaco comprido masculino usado em 1830) em pesada fazenda cinzenta vem como calças e casaco a condizer.Com chapéu também cinzento e um enorme lenço de lã,tornei-me a imagem de um estudante.Não consigo expressar o prazer que me davam aquelas solas revestidas a ferro,sentia-me firme a andar pelas ruas e corri Paris de uma ponta a outra.Dava-me a sensação de que poderia dar a volta ao mundo.Com aquelas roupas não temia absolutamente nada.Saia para a rua estivesse o tempo que estivesse,voltava para a casa a qualquer hora da noite,sentava-me em qualquer lugar obscuro do teatro.Ninguém me prestava atenção e ninguém suspeita va do meu disfarce".(História da minha vida)

9 comentários:

João Silva disse...

oi, gabby
já aprendi mais um pouco com vc!
Conhecia o nome de A. Lupin e sabia que ela foi uma escritora. Mas todos estes factos sobre a sua vida são muito interessantes.

1 beijo grande!

Leo_London disse...

Oi gabby!
Volto eu.
Desculpe, fiquei ocupado tanto tempo que nem respondi suas mensagens e nem dava uma olhada nesse lugar tão interessante q é isso aqui.
Adorei a história da Lupin, adorei o lance do link com o chapolin, não conhecia a história, é realmente fascinante pois não era qualquer mulher q fazia isso mesmo não!

tá mto maneiro isso aqui! parabéns!

bjus

leo

Aninha disse...

parabéns pelo blog e pela sua capacidade de difundir a cultura!!!

muita felicidade e sucesso para você!!!

como foi o enel aqui em brasília?

paz e bem,

Kafé Roceiro disse...

Gostei imensamente do texto. Não sabia disso! No mais estarei te linkando hoje. Beijos do Kafé.

Marcelo Soli disse...

Muito interessante mesmo a tragetória de lupin...não podemos esquecer dessas pessoas que tiveram coragem para desafiar a sociedade em busca da realização de seus ideais...devem servir de inspiração para tempos tão mornos e sem graça quanto os nossos...

Mais uma vez você mandou muito bem aqui no seu blog...parabens!

O empírico disse...

Quem diz que Chapolim não é cultura???

Rogério Saraiva disse...

Lindo texto. Não sabia absolutamente nada sobre a existência dessa pessoa deslumbrante, inteligente! Bom ter amigos de alto nível, por essa razão! Vi que a Aninha perguntou sobre o Enel em Brasília. Você veio aqui? Podíamos ter nos conhecido. A banda do meu irmão, chamada Manjaro, até tocou nesse evento. Também tive banda, componho e tal, digo isso por ter revelado que também é musicista. Não sou musicista. Não tenho essa formação. Mas adoro tudo o que envolve música. Sou assíduo frequentador do Clube do Choro de Brasília, um verdadeiro templo da música. Parabéns por tudo e, não mais fique tanto tempo sem postar. Sinto falta e acredito que isso seja o sentimento comum dos demais. Sim, estarei no Rio a partir do dia 14 de setembro. Vamos combinar uma praia ou um passeio com a minha trupe! Bjos.

Solitude disse...

ótimo texto Gabby!!!
Eu ja conhecia (por alto) a história de G. Sand. Eu tinha me esquecido desse episódio de chapolin. Mesmo sem curtir muito o seriado vc lembrou. Realmente vc tem ótima memória.
Uma coisa me intriga! É comum na literatura tratar de forma romantica a história de garndes escritores. Penso se o fato dela ter se vestido de homem é realmente ju8stificado pelos fatos que ela alega. Não se trata aqui de sensacionalismo ou fofoca histórica. Na verdade é só uma curiosida da minha parte. Será que existe algum estudo sobre o caso? Algo de base sociológica ou psicológica?
Quero deixar claro que não a estou chamando de louca ou coisa parecida, mas essa história sempre me pareceu suspeita, pois, acho que todas as pessoas de seu tempo notavam que era uma mulher vestida de homem. Portanto seria tratada como uma mulher e sua inserção nos círculos predominantemente masculinos seria tolhida. é uma hipótese simplista, mas, no entanto, uma hipótese.

DE TUDO UM POUCO disse...

GENTE,NÃO SABIA QUE ESSE SIMPLES TEXTO FOSSE CAUSAR TANTO IMPACTO!OBRIGADA PELOS COMENTÁRIOS!